Mudanças entre as edições de "Projeto Plataforma Urbanismo Biopolítico"

De Indisciplinar
Ir para: navegação, pesquisa
(Participantes)
 
(3 revisões intermediárias por um outro usuário não estão sendo mostradas)
Linha 1: Linha 1:
[[Arquivo:urbanismo_biopolitico.png| 600px ]] <br>
+
[[Arquivo:urbanismo_biopolitico.png| 200px ]] <br>
 
<br>
 
<br>
  
Linha 7: Linha 7:
 
= Participantes =  
 
= Participantes =  
 
* Coordenação: Natacha Rena
 
* Coordenação: Natacha Rena
* Co-coordenação: Julia Franzoni
 
* Co-coordenação: Marcela Brandão
 
* Co-coordenação: Marcelo Maia
 
* Ana Isabel de Sá
 
* André Victor Ramos
 
* Bernardo de Paula
 
* Brenda Gonçalves
 
* Christian Freitas
 
* Daniela Faria
 
* Fernanda Dusse
 
* Joviano Mayer
 
* Lucca Mezzacappa
 
* Luis Marques
 
* Marília Pimenta
 
* Mariana Bubantz
 
* Thiago Canettieri
 
  
 
= Conexões externas =
 
= Conexões externas =

Edição atual tal como às 18h55min de 10 de julho de 2020

Urbanismo biopolitico.png

O projeto

Este é um projeto que esteve vinculado ao Programa IndLab até agosto de 2017 e que surge a partir das ações realizadas dentro do projeto Cartografias Emergentes e que se desdobraram em um projeto a ser realizado a partir de 4 frentes de investigação e ação do grupo de Pesquisa Indisciplinar em rede com movimentos sociais e outros grupos de pesquisa que tem investigado e atuado na tentativa de produzir informação e dispositivos de ação relativos às lutas urbanas envolvendo 4 territórios e/ou temas urbanos fundamentais na produção do espaço em Belo Horizonte: Zona Cultural, Nova BH/ ACLO, Santa Tereza, PBH Ativos, Operação Urbana Isidoro. Neste novo ciclo, o projeto se vincula ao novo Programa denominado IndUrb. http://pub.indisciplinar.com/ A avaliação dos projetos que o Grupo Indisciplinar desenvolveu até o final de 2015 apontou que a construção de uma método cartográfico de pesquisa e ação era o ponto estrutural das nossas ações. Esse método de trabalho explora de maneira tática uma série de dispositivos e ferramentas tecnopolíticas disponíveis atualmente, para a produção de conhecimento de maneira coletiva e colaborativa (mapeamentos digitais, redes sociais, páginas wiki, blogs, produção de linhas do tempo etc.), aliando o uso de tais mecanismos ao contato presencial e à atuação direta junto a grupos e a comunidades da sociedade civil. De um modo geral, podemos dizer que nossos projetos vêm sendo explorados a partir de quatro dimensões principais: I) Espacial/territorial: a) por meio da criação de mapas digitais colaborativos que reúnem ferramentas de georreferenciamento com a possibilidade de atuação em rede e em tempo real, utilizando softwares como Crowdmap e Mapas de Vista; b) produzindo cartografias coletivas a partir de encontros presenciais, como oficinas e workshops. II) Temporal: por meio da produção de linhas do tempo que analisam a evolução temporal dos fenômenos investigados e sua relação com eventos/acontecimentos paralelos da dinâmica urbana. III) Conceitual e informacional: utilizando páginas wiki (ou seja, que possibilitam a produção colaborativa, processual e em rede do conhecimento) como forma de desenvolvimento dos marcos teóricos que norteiam nossas pesquisas, assim como meio de produção/armazenamento de bases de dados. IV) Comunicacional ou de criação de redes: a partir do uso tático das redes sociais e canais de comunicação de ampla utilização na internet, como fanpages e eventos em redes sociais, blogs, produção de memes, etc. Impõe-se, neste projeto, o desafio de sobrepor todas essas camadas, proporcionando a conexão e a retroalimentação entre as diversas ferramentas que utilizamos para atuar na cartografia destas lutas territoriais. Se por um lado a trajetória traçada até o momento nos permitiu explorar em profundidade uma série de dispositivos existentes e desenvolver um procedimento que busca aproveitar da melhor forma as funcionalidades de cada uma dessas ferramentas, por outro lado, a utilização de múltiplos canais e a impossibilidade de comunicação entre alguns deles implica em certas limitações – como a realização de trabalhos duplicados, a dispersão de algumas informações e a dificuldade de cruzamento de dados – cuja superação traria enormes benefícios ao desenvolvimento de nossas pesquisas. Atualmente, Belo Horizonte se destaca como um laboratório para criação e desenvolvimento de instrumentos de gestão e empresariamento urbano que se apoiam na produção do território vinculada aos ditames da acumulação privada em detrimento da justa distribuição dos ônus e benefícios da urbanização e das principais agendas de reforma urbana. Essa realidade pode ser observada por meio do rebatido dessas inovações perversas nos instrumentos jurídicos e políticos de política urbana associados a Grandes Projetos Urbanos e estratégias de empresariamento da cidade nas várias frentes de ação a serem cartografadas nesse projeto.

Participantes

  • Coordenação: Natacha Rena

Conexões externas