Memória do Indisciplinar

De Indisciplinar
Revisão de 15h22min de 17 de abril de 2019 por Indisciplinado (discussão | contribs) (Novembro)
Ir para: navegação, pesquisa

Desde 2012 o indisciplinar vem atuando ... (fazer um texto de apresentação)

>>> inserir aqui todo o conteúdo de blog.indisciplinar.com desde 2013 pode se criar páginas adicionais para que essa não fique tão extensa. planeje como é melhor sumarizar o conteúdo antes de começar a transferir a informação para cá.

Sobre

Contato

Grupo Pesquisa Indisciplinar Endereço: Escola de Arquitetura, rua Paraíba, 697, sala 400
Telefone: 031 34098834 ou 031 34098835 ou 031 34098845
Email: indisciplinar@indisciplinar.com

Indisciplinados

Estrutura organizacional

Estrutura organizacional antiga 1.png
Estrutura organizacional antiga 2.png

Rede Tecnopolíticas - INCT

O INCT-TECNOPOLÍTICAS: Territórios Urbanos e Redes Digitais – pretende constituir uma rede de pesquisa de alto impacto científico e social voltada a investigar a aplicação das tecnologias digitais de comunicação aos processos de produção do espaço urbano. Pretende- se produzir conhecimento e explorar tecnologias que promovam a interseção entre as redes digitais e as dinâmicas espaciais urbanas. Compreende-se que estas tecnologias conformam, atualmente, parte indissociável da experiência e da organização das metrópoles contemporâneas, promovendo a fusão da sua dimensão físico-territorial com a das redes digitais . Partindo de um contexto de urbanização crescente, que alcança até mesmo os recônditos rurais e selvagens, a expansão da tecnologia informacional e das condições de conectividade vem transformando a vivência destes territórios e se integrando às suas infraestruturas com intensidade sem precedentes. No entanto, não se observa uma incorporação correspondente desses mesmos recursos nos instrumentos de planejamento das cidades, sobretudo no que concerne ao fortalecimento do diálogo entre os seus habitantes e o poder público. Portanto, pretende-se investigar/produzir tecnologia social aplicada a políticas públicas urbanas nos mais diversos níveis: mobilidade, moradia, lazer, cultura, economia, agroecologia, etc. O TECNOPOLÍTICAS propõe o desenvolvimento colaborativo de tecnologia social aberta e re- aplicável, baseando-se em iniciativas como o movimento open source (software livre) ou peer to peer (entre pares) que promovem o livre compartilhamento de conhecimento a partir de novos modelos de licenciamento de conteúdo. Acredita-se que a ampla disseminação da informação produzida pelo Instituto proposto é premissa fundamental para sua contribuição efetiva às práticas de desenvolvimento urbano sustentável no país. Os movimentos de insurgência popular que ganharam visibilidade a partir de junho de 2013, no Brasil, articularam-se prioritariamente em torno de pautas urbanas sinalizando grande insatisfação com os mecanismos de participação e de representação disponíveis para abordar tais questões. A partir daí, começa a estruturação de uma rede de pesquisadores jovens, já imbuídos de pensar propostas para uma sociedade mais plural e democrática, que associa núcleos de pesquisa e extensão das universidades a coletivos artísticos ou midialivristas e a movimentos sociais diversos. Acredita-se que é urgente aliar o que há de mais avançado na investigação em tecnologia da informação à pesquisa urbana em sua dimensão multidisciplinar – reunindo arquitetos, urbanistas, geógrafos, economistas, sociólogos, designers, biólogos etc. – em busca da criação de dispositivos tecnopolíticos para a atuação nas metrópoles. Pretende- se, a partir dessa produção, auxiliar não somente as comunidades e os grupos organizados da sociedade civil, mas também o Estado, na constituição de plataformas colaborativas que dêem suporte a processos de participação mais eficazes. Iniciativas como o Marco Civil da internet demonstram que o Brasil está na vanguarda das políticas públicas para as redes digitais, revelando uma necessidade de se formar grupos de investigação de excelência na área das tecnopolíticas e de ampliar seu alcance para a esfera do planejamento urbano envolvendo universidades, Estado e sociedade. Além dos núcleos de pesquisa e dos programas de pós-graduação que integram a proposta inicial de formação deste Instituto, pretende-se fortalecer essa rede através de parcerias com grupos internacionais, consolidando e ampliando uma rede já existente que vem produzindo conhecimento no âmbito das tecnopolíticas urbanas de maneira sistemática e transversal. Destaca-se a atuação conjunta dos membros desta proposta em iniciativas de pesquisa, de extensão, da participação em eventos científicos, e da organização de workshops em território nacional e internacional, além da compreensão de que é necessário fortalecer uma rede ibero- americana com ênfase na América Latina. Pretende-se utilizar metodologias diversas, com foco na copesquisa, para a concretização dos objetivos deste Instituto, a partir de quatro eixos: Eixo I) Realização de pesquisas acadêmicas associadas ao ensino e à extensão, envolvendo graduação e pós-graduação (produção de artigos, monografias, dissertações, teses) com foco nas tecnopolíticas para o desenvolvimento sustentável e inclusivo no território metropolitano associando métodos que vão desde processos cartográficos ao desenvolvimento científico laboratorial; Eixo II) Articulação das redes que incluam universidades, Estado e sociedade, através do desenvolvimento laboratorial de plataformas colaborativas online, aplicativos móveis, sites, blogs e outros dispositivos de conexão baseados em tecnologia social re-aplicável; Eixo III) Fornecimento de diretrizes para produção de políticas públicas urbanas que explorem o potencial das tecnologias digitais para aplicação em programas e projetos articulados entre si; Eixo IV) Capacitação tecnopolítica dos atores envolvidos na produção do conhecimento e do espaço urbano como: gestores públicos, educadores, pontos de cultura, comunidades em estado de vulnerabilidade social, associações de moradores – visando a democratização do acesso à informação, a expansão dos processos de inclusão digital e o fortalecimento dos mecanismos de participação-decisão cidadã. Se por um lado se fazem evidentes a relevância e o caráter inovador do tema, por outro também se pode observar que este não é foco de nenhum dos INCTs existentes atualmente no Brasil. Acredita-se que a fundação do INCT TECNOPOLÍTICAS, que reúne os principais grupos de pesquisa da área no cenário nacional, venha resultar em um avanço sem precedentes na produção de conhecimento – tanto de natureza acadêmica, quanto de tecnologia social – e na formação de pesquisadores que atuam de maneira transdisciplinar, constituindo um centro de excelência na investigação das conexões entre as redes digitais e urbanas.

Fanpage

Sites antigos

Extensão

Notícias

2013

Dezembro

2014

Janeiro

Fevereiro

Março

Abril

Maio

Junho

Julho


Agosto

Setembro

Outubro

Novembro

Dezembro

¿qué pude el arte en nuestros tiempos ?

2015

Janeiro

Fevereiro

Processos colaborativos e tecnologia social

Março

pré-lançamento DESIGN E POLÍTICA
OUCBH – Operação Urbana Consorciada
Palestra de Negri no Multitude
morar indígena seleciona bolsistas
Sobre o Indisciplinar
Rede Tecnopolíticas: territórios urbanos e redes digitais
RedeVerde: ato do dia 14

Abril

Ocupa Cultural
Seminário Internacional Faces da Resistência Recife/Brasil

Maio

Reunião Pública da Zona Cultural da Praça da Estação Bolsistas recebem capacitação para uso do ENVI-MET

Junho

Entrevistando Harvey: REBELDE COM CAUSA
Blog sobre operações urbanas em BH
EmBreveAqui: um novo projeto do indisciplinar
Cartografia da Cultura nas Ocupações da Izidora
2º Ciclo de Estudos Metrópoles, Políticas Públicas e Tecnologias de Governo. Territórios, governamento da vida e o comum
Circuito forumdoc.ufmg apresenta: “A cidade é uma só?”

Julho

III Seminario Internacional Procesos Urbanos Informales “GESTIÓN SOCIAL DE LA CIUDAD Y EL TERRITORIO”
III SIMPÓSIO NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE CIDADES – II ENCONTRO TÉCNICO E CIENTÍFICO PARA CONSTRUÇÃO DE CIDADES VERDES

Agosto

Volúmen Común: Laagencia + Escuela de Garaje

Setembro

Janaína Marx e Hernan Espinoza no Taller MET-Equador
VII Festival de Arte Público GRAFFF15
Julia Franzoni participa do Congresso de Direito Crítico
Conselho Consultivo da Zona Cultural Praça da Estação
Incapturável potência das vidas
Convite: Diálogos Metropolitanos
Daniela Faria participa de Seminário de Estética e Crítica da Arte na USP
Indisciplinar no Taller Internacional Laboratorio Ciudad de Quito

Outubro

Cidade Eletronika 2015
Amanda Guimarães participa do III Encontro Brasileiro de Pesquisa em Cultura
Parceiros do seminário “As Híbridas das Lutas Sociais”
Indisciplinar participa da abertura da Semana da Extensão da Faculdade de Direito da UFMG
Natacha Rena participa do encontro “Crise urbana: o que fazer?”
Indisciplinar no debate “Urbanismo das ruas em rede”

Novembro

Revista Indisciplinar N.1
Aula Pública NovoPlanoDiretordeBH

Dezembro

Julia Franzoni publica texto no blog Justificando

2016

Março

Entrevista com Antonio Lafuente DocPósDoc Mar 29, 2016

Abril

Pesquisadores do Indisciplinar no programa Brasil das Gerais Apr 4, 2016

Agosto

Saskia Sassen no evento Design e Política em 2011 Aug 21, 2016

2017

Fevereiro

VAC 2017: Indisciplinar convida para o Seminário “A razão neoliberal ataca o território”