Mudanças entre as edições de "Moradores de rua e produção do espaço urbano: análise sobre Bogotá e Belo Horizonte sob uma perspectiva genealógica"

De Indisciplinar
Ir para: navegação, pesquisa
(Criou página com '{{Produção acadêmica |Autores=CARNEIRO, Karine Gonçalves |Título=Moradores de rua e produção do espaço urbano: análise sobre Bogotá e Belo Horizonte sob uma perspect...')
 
 
Linha 3: Linha 3:
 
|Título=Moradores de rua e produção do espaço urbano: análise sobre Bogotá e Belo Horizonte sob uma perspectiva genealógica
 
|Título=Moradores de rua e produção do espaço urbano: análise sobre Bogotá e Belo Horizonte sob uma perspectiva genealógica
 
|Ano=2016
 
|Ano=2016
 +
|Tipo=Tese
 
|Link=http://wiki.indisciplinar.com/webdav/publicacoes/Tese_Karine_Goncalves_Carneiro.pdf
 
|Link=http://wiki.indisciplinar.com/webdav/publicacoes/Tese_Karine_Goncalves_Carneiro.pdf
 
}}
 
}}

Edição atual tal como às 06h22min de 26 de julho de 2019

Autor(es) CARNEIRO, Karine Gonçalves
Título Moradores de rua e produção do espaço urbano: análise sobre Bogotá e Belo Horizonte sob uma perspectiva genealógica
Ano de publicação 2016
Tipo de publicação Tese
Frente de ação
Disponível em http://wiki.indisciplinar.com/webdav/publicacoes/Tese_Karine_Goncalves_Carneiro.pdf
Como citar

“Esta tese busca, por meio de um procedimento genealógico nos moldes foucaultianos atrelado a uma pesquisa de campo alicerçada na etnografia, identificar e analisar os mecanismos,estratégias e táticas de poder/saber que interferem ou atual – no âmbito das intervenções sobre o urbano em função do planejamento público – sobre os modos de vida dos moradores de ruanas cidades de Belo Horizonte, no Brasil, e de Bogotá, na Colômbia, no que concerne às suas relações com os espaços públicos da cidade. Nessa perspectiva, a intenção foi a de conduzir um olhar para o espaço urbano a partir de corpos e pessoas compreendidos não como problemas,mas como parte de conflitos, encontros, embates, pertencimentos, estratégias, formas de sujeição, exclusões e regimes de verdade, numa trama cotidiana produtora de saberes e de espaços heterotópicos. Para isso, a partir do próprio dia a dia experimentado pelos moradores de rua e pelo histórico das lutas que os envolvem, buscou-se compreender os jogos de poderes e saberes dos quais essas pessoas fazem parte, no intuito de atingir uma maneira de se pensar o urbanismo e a produção do espaço de forma crítica. Como resultado foram identificados: os mecanismos, estratégias e táticas de poderes/saberes que, ao longo do tempo, têm permeado avida dos que moram nas ruas; os modos como, na atualidade, o neoliberalismo – principalmente por meio do empreendedorismo urbano – tem provocado alterações nos papéis dos envolvidos na produção do espaço; e os conceitos historicamente atrelados à teoria e à prática do planejamento urbano, tais como espaço público e espaço privado, que não têm dado conta de lidar com as nuances que envolvem determinados modos de vida, principalmente os dos moradores de rua”